Roma: do Coliseu aos Fóruns Imperiais

É impossível ir a Roma e não ver o Coliseu, uma das 7 Maravilhas do Mundo Moderno. Mas, comigo, isso foi praticamente o que aconteceu. Infelizmente, os cinco dias que passei em Roma foram os seguintes à vaga de frio que assolou a Europa em Fevereiro passado e que na capital romana tiveram como consequência, entre outras, o fecho do Coliseu aos turistas. Resultado prático: só o vi por fora.

Coliseu, de dia

Coliseu, de noite

O Coliseu é o dono de Roma: quem olhar para uma foto qualquer, já sabe onde foi tirada. E ele faz justiça ao nome: afinal, trata-se de uma gigantesca estrutura (o anel exterior tem quase 50 metros de altura) e podia albergar quase 50 mil espectadores. Foi neste local que os romanos atingiram o auge da paixão imperial pelos espectáculos sangrentos. O imperador Tito decretou cem dias consecutivos de jogos comemorativos quando inaugurou a mega estrutura, em 80 d.C. Originalmente, o Coliseu chamava-se Anfiteatro Flávio, mas assumiu o nome actual nos sécs. VI ou VII d.C. A entrada era permitida a todos os cidadãos e oferecia espectáculos de todo o tipo: combates de gladiadores, caças de animais selvagens, batalhas navais e outro tipo de espectáculos.

Indescritível

Pormenor

Vista do Coliseu desde o Palatino

Logo ali ao lado, antes de ter rumado ao Palatino, fiquei deslumbrado com o Arco de Constantino. É o símbolo da vitória de Constantino sobre Maxêncio e está coberto de elementos pagãos tirados de diversos monumentos anteriores, como sejam os belos medalhões com cenas de caça que provinham de um tempo dedicado a Antinoo, o amante do imperador Adriano.

Arco de Constantino e Coliseu | D.R.

Já o Palatino, que tinha resquícios de neve e gelo no chão quando o conheci, é outro encanto à parte. Afinal, trata-se do lugar onde Rómulo acabaria por fundar a cidade eterna no ano de 753 a.C. Segundo a lenda, foi exactamente nesta coluna que Rómulo e Remo foram encontrados por um pastor quando uma loba os amamentava. Abaixo seguem algumas imagens do Palatino.

Palatino I

Palatino II

Mas as imensas ruínas metem um pouco de dó, actualmente, tendo em conta o estado de degradação em que se encontram. Ok, a Itália, tal como Portugal, não atravessa dias famosos, mas mesmo assim o império cultural é tão grande que acho que poderia existir um pouco menos de desleixo. De quando em vez, lá se vêm andaimes em torno das atracções do fórum romano, mas não chegaram para mudar o meu sentimento.

Três horas deverão chegar para visitar todo o espaço do fórum. Não é nesta zona que se encontram os fóruns imperiais (como o Mercado de Trajano) profanados pela Via dei Fori Imperiali, de Mussolini. A zona do Fórum Romano nasceu no local onde tinha lugar antigamente um cemitério pantanoso que serviu a primeira aldeia do palatino.

Vista desde o Palatino sobre o Fórum Romano

Vista desde a Via Sacra para o Fórum Romano

Vista desde o Monte Capitolino sobre o Fórum Romano

O Fórum Romano ergueu-se pouco a pouco, cada vez mais glorificado, à medida que o poder da cidade crescia. Assumiu o seu esplendor máximo no reinado do primeiro imperador, Augusto, ao qual se atribui ainda a proeza de ter convertido uma cidade feita de tijolo em mármore. Nessa altura, já o pântano havia sido totalmente drenado. Além dos Arcos de Tito e de Sétimo Severo, a Basílica de Maxêncio e Constantino, a Cúria, a Via Sacra e os demais templos (Castor e Pólux, Vespasiano, Antonino e Faustina, só para citar alguns) são outros encantos. A melhor maneira é ver as fotos seguintes.

Arco de Tito

Arco de Sétimo Severo

Templo de Vespasiano

 

 

 

 

 

 

Dicas: É possível chegar ao fórum da Via dei Fori Imperiali. Mas a melhor visão do fórum, aquela que deixei acima, só é possível do Palatino ou do Monte Capitolini. Também é possível partir do extremo sudeste, junto do Coliseu, através do palatino ou do Arco de Tito, cuja entrada, à época em que visitei a zona estava encerrada. A entrada no Coliseu + Palatino é paga, 12 euros. A zona está aberta diariamente ao público, mas os horários mudam consoante a época do ano. De Abril a Agosto, está aberto ao público das 08:30 às 19:15 e em Setembro encerra às 18:30.

Confesso, contudo, que não prestei muita atenção na minha viagem à zona dos Fóruns Imperiais, a tal profanada por Mussolini. Sabia que continha algumas das mais grandiosas e notáveis ruínas de Roma antiga, mas o meu itinerário complexo não dava para grandes alterações. Se queria ver determinados monumentos, teria de prescindir de outros. E assim foi. As únicas fotos que tenho da zona foram tiradas de um café panorâmico, que se encontra por cima do Monumento a Vittorio Emanuelle. Trata-se de uma área que apresenta os fóruns gigantescos de vários imperadores, dos quais se destaca Trajano, e a exuberante Domus Aurea de Nero.

Vista sobre os Fóruns Imperiais I

Vista sobre os Fóruns Imperiais II

De acordo com guias que encontrei no local, para ver toda a zona são necessárias pelo menos mais 3 horas (impensável, disse logo para mim na altura) e as filas são comuns. A entrada é paga, mas está incluída no bilhete Coliseu + Palatino/Fórum Romano.

Anúncios

About Desporto: viajar

Jornalista de profissão, devorador de viagens por paixão. Sempre que me quiserem encontrar, vou estar por aí.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: