Roma e Cidade do Vaticano: Dicas a reter

Com esta nova entrada no blogue, termino o ciclo dedicado à minha viagem a Roma e à Cidade do Vaticano, iniciada no início do ano, com um frio de rachar, e mesmo antes de partir para mais uma viagem, cujos pormenores serão dados até ao final deste semana. No total, já incluindo este post, foram 20 as entradas aqui no Desporto: Viajar, um número bem redondo, mas que não foi premeditado, nem nada. Aconteceu.

  • Como chegar a Roma?

A melhor forma de chegar a Roma é de avião. A TAP Portugal, a Alitalia e a Easyjet voam directamente para Fiumicino, um dos dois aeroportos da capital romana. Também há possibilidade de viajar do Brasil com a TAP, via escala em Lisboa, ou pela TAM. Na Europa e fora dela, são múltiplas as companhias que voam para a cidade, não fosse esta uma das mais frequentadas por turistas durante todo o ano. O aeroporto está a 30 km do centro da cidade. Os táxis entre ambos os lados cobram 40€ (preço fixo em Fevereiro de 2012), mas também há maneira de ir de comboio, o Leonardo da Vinci Express. Mais detalhes aqui.

  • Requisitos de entrada:

Para os cidadãos da União Europeia, basta o Bilhete de Identidade ou o Passaporte. Para quem venha de fora do velho continente, é desejável a obtenção de informação junto das respetivas embaixadas.

  • Quando viajar?

Em Agosto, as duas cidades são muito quentes e em Fevereiro pode nevar. Eu ainda peguei neve nos dias em que lá estive, um gelo imenso que dificultou a minha estadia local. Na primeira noite as temperaturas desceram aos 10 negativos. Geralmente, na Primavera, os hóteis estão mais reservados e no Outono há menos gente, mas o tempo é mais instável. As épocas altas são entre a Páscoa e Julho e entre Setembro e Outubro. Roma fica deserta em Agosto, porque os locais saem da cidade para viajar e fazer férias.

  • Que roupas levar?

Os italianos vestem bem, por isso ir bem vestido é essencial a meu ver. Não vá passar vergonha ou ser muito observado. Os restaurantes são liberais e não há grandes regras na indumentária. Algumas igrejas, inclusive no Vaticano, ombros e pernas à mostra não são permitidos.

  • Fuso horário, eletricidade e horários comerciais:

O fuso horário é o da Europa Continental Ocidental, GMT + 1 hora. A corrente elétrica é de 220V/50 e as tomadas são de pinos redondos. A maioria dos estabelecimentos comerciais, igrejas e alguns museus abre às 8h ou 9h, encerra para riposo às 15h ou 16h e fecham por volta das 18h ou 20h. A moeda utilizada é o euro.

  • Postos de turismo em Roma e Roma Pass:

Há três postos de turismo na cidade, na Via Parigi, na estação de Termini e no aeroporto de Fiumicino. Num deles, poderá comprar o Roma Pass, o cartão de descontos em monumentos, museus e transportes da cidade. Eu adquiri-o para os 4 dias em que estive na cidade. Mais infos sobre o assunto aqui.

  • Transportes públicos:

Vai começar a passar pela cidade? Use o transporte público. Geralmente, os autocarros chegam a praticamente todo o lado e o Metro ainda não tem a cobertura de outras cidades. Roma é um museu a céu aberto, e subterrâneo, pelo que o alargamento da rede está muito, mas muito atrasada. Só há duas linhas, a A e a B, e a terceira, a C, está atualmente em construção. Para deslocações fora da cidade, use a estação de Termini. Para viagens suburbanas, como Ostia Antica, a estação é a Porta San Paolo.

  • O imperdoável na fusão Roma-Vaticano:

Vai a Roma para quê? Aposto que o Coliseu e a praça de São Pedro, no Vaticano, estão entre os planos. Mas há tanto mais para ver na cidade…
Sugiro que comece na Piazza Navona e siga depois para o Panteão, Piazza Minerva, Fontana di Trevi, Piazza e Scalinata di Spagna e Pizza del Popolo/Pincio. Quando se dedicar ao Coliseu, veja também o Arco de Constantino, o Palatino e os Fóruns Imperiais. Ali nas proximidades, explore os Museus Capitolinos, o Monumento a Vittorio Emanuele II, veja a Bocca della Veritá e passe na Isola Tiberina para ir ver o boémio bairro de Trastevere. Dedique um dia ao Vaticano, aos seus museus, à sua praça, basílica e cúpula. Verá que o tempo para ali estar nunca é demais. Se aprecia museus, passe na Galleria Borghese. Se está com mais tempo explore as potencialidades turísticas das redondezas de Roma. Veja Ostia Antica, Pompéia e/ou Nápoles.

  • O “evitável”:

Evite a cidade fantasma em que Roma se transforma em Agosto;

Cuidado com os carteiristas e evite principalmente o autocarro n.º 64, onde eles passam o rodo nos turistas;

Reserve com antecedência. Para quê perder tempo interminável numa cidade repleta de turistas? Use esta dica principalmente no Vaticano (compre pela Net) e na Galleria Borghese.

Os museus do Vaticano são grátis no último Domingo de cada mês;

Quando se encontra em Roma, o Papa concede audiências coletivas nas manhãs de quarta-feira. Há que reservar bilhetes gratuitos através d Prefeitura da Casa Real (fax: 06 6988 5863).

Evite os restaurantes em volta do Vaticano e da zona do Coliseu e Fóruns Imperiais. São extremamente caros e de qualidade duvidosa;

Termini à noite, dado o número alto de sem-abrigo e de sujeitos de aparência duvidosa;

Os carros todos de Roma, porque os italianos são completamente malucos a conduzir, buzinam e passam-lhe quase por cima sem dó nem piedade. Quer conduzir na cidade? Pense três vezes antes de o fazer.

  • Recuerdos que não devem faltar na mala:

Para quem é religioso, o Vaticano é ótimo nesse aspecto. Tem de tudo: terços, livros, quinquilharias várias e um sem fim de coisas religiosas que não caberia neste post.. Tudo com preços altamente inflacionados também, obviamente. Há também em toda a cidade antiguidades e peças de estilo rústicos, bem como os tradicionais imans de frigorífico, canecas, isqueiros, postais. Compre vinho da Toscana se é apreciador do néctar dos deuses e massas de todas as formas e feitios.

  • Alguns pratos tradicionais:

Massas e massas, pizzas e pizzas. Fui explícito? Julgo que sim. Prepare-se apenas para os preços das refeições. Se quer algo no prato, não deverá desembolsar menos de 15 euros… Porra, comida cara.

  • Segurança e saúde:

Ligue o 113 para as urgêncisa, 112 para os Carabinieri, 118 para pedir uma ambulância, 115 para os bombeiros e 803-116 para avarias no carro. A Itália é um país extremamente seguro e salvo os carteiristas não há muito mais a recear. Cuidado com os taxistas e os seus taxímetros, que costumam colocar a tarifa “fora da cidade” quando ainda estamos na malha urbana de Roma.

Mapa dos principais pontos turísticos em Roma e no Vaticano | D.R.

E é isso.

BOA VIAGEM

Anúncios

About Desporto: viajar

Jornalista de profissão, devorador de viagens por paixão. Sempre que me quiserem encontrar, vou estar por aí.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: